sábado, 6 de março de 2010

Amor recíproco

"Que em memória da minha bênção e do meu testamento, sempre se amem mutuamente, que amem sempre a nossa senhora a santa pobreza e a guardem, e sempre se conservem fielmente sujeitos aos prelados e a todos os clérigos da nossa santa madre Igreja." (TS 3-5)



Estamos aqui perante um convite a uma relação de amor mutuo. Podíamos neste sentido dizer que, o amor em si responde a dois elementos fundamentais: o acolhimento e a partilha.
Temos no acolhimento a disposição, a abertura de espírito de alguém para aceitar o outro. Na partilha, o encontro face a face das pessoas, longe das coisas materiais.
Superficialmente aparentam ter o mesmo sentido, no entanto se o acolhimento e a partilha são aproximadamente parecidos como se disse, não se confundem pura e simplesmente. "são distintos como a mão direita é distinta da mão esquerda."(D. Adriano Langa conf. caderno de espiritualidade Franciscana).
É verdade que o acolhimento e a partilha completam-se e se implicam mutuamente e daí resulta o amor mutuo, na partilha e no acolher e ser acolhido...

Frei Tendai

1 comentário:

  1. Que a luz de Cristo que brilha em vós continue a irradiar e a contagiar todos aqueles com quem vos encontrais. Obrigado pelo testemunho da vossa vocação e alegria!

    ResponderEliminar